leopardsandflowers.xpg.uol.com.br

WebMedia XPG

[Entrevista] Shoujo em Campanha - parte #1: Mayara


A chamada da vez.
Troca de ideias providencial...

Nobre visitante, fazia muito tempo que uma entrevista não era publicada aqui no NETOIN!. Geralmente, tal tipo de ação aparece quando algo especial ocorre ou que, ao menos instantaneamente, a necessidade de certas informações chegarem de maneira mais concisa acabe fazendo com que esta alternativa seja requisitada.

Tendo por base tal prerrogativa, uma série com duas entrevistas foi levada adiante e, de maneira honrosa, as pessoas convocadas para responder ao citado chamado optaram por fazê-lo alegremente. Com isso, o shoujo passa à ser o tema da vez nestes dois posts de grande importância e, para contemplar, os nobres que responderam as questões são justamente os responsáveis diretos pela Campanha Mais Shoujos no Brasil.

Desta forma, a primeira parte desta série com suas entrevistas foi ser seguida sob a batuta da jovem Mayara. E daqui há dois dias, a segunda parte será publicada com as palavras do nobre Gustavo. Amigo visitante, sinta-se convidado à acompanhar mais abaixo as opiniões da já citada moça sobre a demografia shoujo, com direito às tangentes do gosto pessoal e da Campanha em si, desde o seu surgimento até os planos para o futuro da mesma.

Tenha uma boa leitura.

Shoujo em Campanha
Parte #1: Mayara

Ookami Shoujo to Kuro Ouji.
1) Mayara, descreva como foi a sua experiência inicial com o shoujo em si.

Olha, eu sempre li mangá mais por diversão. Era algo que eu fazia sem me ater aos detalhes, sabe? Não tinha conhecimento sobre as editoras nacionais e também não sabia dessa diferenciação entre demografia e gênero. Portanto, digamos que a minha experiência com os shoujos se tornou mais profunda após a realização da Campanha, já que procurei ler os mangás da demografia que eram muito conhecidos e que, de alguma forma, me atraíram. Também procurei saber mais sobre a situação atual deles.

De qualquer maneira, a minha relação com shoujos foi sempre de amor. Eu achava uma leitura leve, divertida e ao mesmo tempo, impactante. Tive acesso mais aos romances colegiais e eles conseguiam me prender, por causa das frases e do desejo de acontecer algo parecido. Basicamente isso.

2) Como, em seu coração, tu definiria a demografia shoujo?

Eu definiria a demografia shoujo como algo que merece receber uma chance. Digo, não existem apenas romances colegiais, mas vários outros gêneros, como comédia, terror e por aí vai. Além disso, mesmo os romances colegiais são muito bons. Trazem sentimentos que todo mundo se identifica/se identificou um dia.

É uma demografia que apresenta clichês assim como qualquer outra e que consegue te encantar mesmo com tudo isso, pois trabalha os clichês de maneiras diferentes, podendo te deixar boquiaberto. Então, é uma demografia e tanto, fora que os traços são impecáveis algumas vezes.

Kimi ni Todoke.
3) Quais são os seus shoujos preferidos? Explique o porquê de cada obra ter sido por ti citada.

Kimi ni Todoke - É um amor fofinho, lento, com personagens cativantes e reais. Eu me identifiquei bastante com a história da Sawako e ficava encantada toda vez que ela conseguia conquistar um pouco mais de espaço na vida das pessoas. Os sentimentos dela eram muito parecidos com o meu e quando a vi tendo novas amizades e descobrindo seus sentimentos em relação ao amor ou até mesmo ciúmes. Foi aí que eu percebi o quanto havia sido envolvida pelo anime. Eu viciei tanto em Kimi ni Todoke que foi uma das obras que eu não consegui me segurar, precisava ver o resto da história. Meu amor por esta obra é incondicional e nem eu mesmo sei explicar direito, só sentir.

Sakamichi no Apollon (josei) - Olha, eu raramente revejo filmes/animes, mas Sakamichi no Apollon eu revi e foi uma das melhores coisas que decidi fazer. O anime mescla música e sentimentos tão bem que é impossível não chorar, não torcer pelos personagens, não sentir junto com eles, sabe? Consegue ser ainda mais real que Kimi ni Todoke, além de passar uma sensação ótima de "estamos vivos". É realmente uma verdadeira obra-prima.

4) Como surgiu a ideia de uma campanha em prol dos shoujos no Brasil? Conte em detalhes, por favor.

Então, o Gustavo havia postado no Facebook uma mensagem pedindo Chihayafuru no Brasil. Eu sabia que ele gostava muito do mangá e fui ajudar, divulgando e pedindo o auxílio dos amigos. Disse para todos curtirem e compartilharem, além de comentarem usando a hashtag #VemChihayafuru.

Vimos que tinha gerado um resultado além do esperado e que as pessoas estavam pedindo não só Chihayafuru, mas mangás da mesma demografia (variando entre shoujo/josei). Nisso, mais tarde, o Gustavo mandou uma mensagem no Twitter, falando algo como: ah, vamos criar uma Campanha para trazer mais shoujos? Aí eu topei e assim nasceu a Mais Shoujos no Brasil. Foi do nada. A gente não esperava que fosse ter essa repercussão toda.

5) Quais foram e/ou quais são os maiores desafios que tens com a campanha em si?

Acredito que sejam os preconceitos que envolvem a demografia em si, a falta de informação sobre ela. As maiores discussões foram sobre o público-alvo (quem deve ler ou não o shoujo - no caso, todo mundo - não é uma história para garotas apenas, todos podem e devem ler, se gostarem), a discussão shoujo versus shounen, como se estivéssemos tentando estabelecer uma disputa entre os dois gêneros, sendo que não é isso que a Campanha propõe, mas sim que a demografia shoujo tenha um espaço no mercado nacional também. Também chegaram a implicar com a  hashtag #MaisShoujosNoBrasil, dizendo que a gente não queria shoujos e sim mais romances no Brasil, sendo que havíamos feito uma votação no grupo e os romances ganharam em disparada.

Sakamichi no Apollon.
6) Quais foram e/ou quais são as maiores alegrias que tens com a campanha em si?

Com certeza são as mensagens de apoio, além dos elogios que a Campanha vem recebendo. Realmente damos duro nisso e ver que o resultado está sendo positivo é muito feliz, muito mesmo.

7) Como você avalia a possibilidade da campanha poder ser mal vista e/ou mal interpretada? Como você agiria (ou age) nestes casos?

As pessoas que fazem parte do grupo, as que querem shoujos realmente, do fundo do coração, não vão deixar de desejá-los por causa de uma ou outra opinião contrária. Além disso, a gente vive dizendo para as pessoas explicarem quando virem alguém dizendo algo errado. Temos que fazer a nossa parte, sabe? Sempre digo que não ter informação é normal, pois cabe a nós mostrar como realmente funciona e corrigir da melhor maneira possível.

Eu gosto muito do diálogo, então sempre que vejo alguém dizendo algo errado eu vou lá e falo: "olha, não funciona bem assim não!". Tento ser o mais educada possível, pois não gostaria que alguém que eu nem conheço viesse com dez pedras para cima de mim. Aconteceu várias vezes da Campanha ter sido interpretada erroneamente e em todas elas fizemos textos de esclarecimento. Até hoje fazemos. Queremos passar a mensagem certa. Isso é tudo.

8) Atualmente, a campanha possui um papel de grande responsabilidade, inclusive na blogosfera animística brasileira. Como você se sente em razão disto?

Eu me sinto responsável. É como disse antes, queremos passar a mensagem certa. Então, é, eu me sinto responsável. Sinto que devo saber mais sobre a demografia, sobre o mercado nacional de mangás, sinto que devo me esforçar mais ainda para fazer tudo dar certo e mostrar que estamos por dentro do assunto.

Ore Monogatari!!.
9) Mayara, qual é o planejamento que você tem para o progresso e continuidade da campanha? Pensas em criar algum outro ponto de veiculação das chamadas, posts e afins? Quais ideias lhe surgem em mente neste momento?

Bom, com os anúncios de mangás shoujos, acredito que pretendemos fazer uma divulgação em massa, sabe? Queremos que um bom número de pessoas tenham conhecimento de que os mangás estão nas bancas e que eles esgotem rapidamente, assim como foi com Ao Haru Ride, então vamos nos esforçar para fazer a melhor divulgação possível. Acredito que vá ser nosso foco por enquanto.

10) Qual o seu sentimento atual, tendo em vista as palavras direcionadas à campanha pelas grandes editoras, no último evento em São Paulo/SP? Descreva o que isto lhe representa.

É um sentimento de realização e gratificação. Foi realmente muito bacana essa atitude das editoras, esse contato delas com a gente. Eu fiquei muito feliz mesmo, além de ter ficado surpresa. O coração saiu pela boca. Fico até meio sem acreditar que tenhamos conseguido tudo isso, mas aí eu olho pro grupo da Campanha, para a página e lembro que tem toda uma galera nos apoiando e que nada disso foi à toa. É realmente muito boa a sensação.

11) Nobre, diga em poucas palavras o que tu deseja para todos que participam da Campanha nas redes sociais.

Desejo que todos continuem nos ajudando, seja curtindo, compartilhando, comentando e, principalmente, comprando os mangás nas bancas, além de enviarem as fotos com eles e surtarem junto com a gente. Também gostaria de dizer que qualquer dúvida, é só mandar uma mensagem na nossa página no Facebook ou até mesmo pelo Twitter. Fiquem de olho nas nossas atualizações e é isso aí. Ah, o grupo é para vocês, por isso, qualquer sugestão é só dizer.

12) Mayara, a minha pessoa agradece bastante pela sua participação neste trabalho. Deixe, agora, o seu recado final. Pode conter desde maiores agradecimentos até a chamada para novas ideias, críticas, sugestões e afins.

Imagina! Nós que agradecemos pela oportunidade e pelo carinho em relação à Campanha. Fico muito feliz por ter recebido o seu apoio e também pelas nobres palavras dirigidas ao nosso trabalho. Realmente nos deixou bem satisfeitos.

Bem, a gente conseguiu muita coisa em quase um ano e espero que continue assim. Como costumo dizer lá no grupo, a união faz a força e a Campanha é uma amostra disso. Obrigada a todos que estão nos acompanhando nessa jornada, seja desde o início da Campanha ou recentemente. Vamos que vamos!

Nana.

Nobre visitante, não perca a segunda parte da entrevista!

Até a próxima!

O NETOIN! está com você, no Facebook e no Twitter

[ made in NETOIN! ]


Conheça o autor do NETOIN!, visitante...
Carlírio Neto
Carlírio Neto, um fã de animação e cultura japonesa desde os anos noventa. Dramas são a especialidade pessoal. O personagem Wataru, de Sister Princess, representa bem a personalidade de minha humilde pessoa.

Publicidade

Fechar

CONTATO

Preencha o formulário abaixo

Fechar

Hospedagem HTML Grátis sem limite

Preencha o formulário abaixo e hospede seu
site grátis e sem complicações.

* www.LOGIN.xpg.com.br

Concordo com os Termo de serviços do XPG

Fechar

BLOG Grátis

Seus textos, fotos e vídeos em um blog que é a sua cara.

* www.LOGIN.xpg.com.br

Concordo com os Termo de serviços do XPG

Fechar

Esqueci minha senha

Crie já o seu cadastro

Fechar

ESQUECI MINHA SENHA

 

Se você esqueceu sua senha, digite seu login abaixo.

Se você esqueceu seu login, digite seu e-mail abaixo.